E-commerce tem recorde e fatura R$ 53 bilhões no 1º semestre
X
   Entrar Cadastre-se
Esqueceu a senha?
Entrar
E-commerce tem recorde e fatura R$ 53 bilhões no 1º semestre
16 Agosto 2021  | Seção: Colunas & Artigos  |  Categoria: Artigos
A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
Mais do que uma tendência, um mercado consolidado.
Data:
Cidade:
Com R$ 53,4 bilhões de faturamento no primeiro semestre, o e-commerce bateu recorde de vendas no Brasil e cresceu 31% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os dados foram divulgados pelo portal E-Commerce Brasil a partir de um relatório da Ebit / Nielsen em parceria com o Bexs Banco, empresa especializada em câmbio e soluções de pagamentos digitais internacionais.

O aumento do tíquete médio foi o principal motor desse resultado, com incremento de 22%. O gasto per capita chegou a R$ 534. O número de pedidos também avançou e atingiu 100 milhões.

"O e-commerce passa agora por um período de consolidação após o crescimento expressivo do ano passado", afirma o líder de e-commerce da Ebit|Nielsen, Marcelo Osanai. 'O consumidor, adaptado à comodidade do comércio eletrônico, compra de forma mais recorrente e busca produtos em diversas categorias", acrescenta.

O contingente de novos clientes do varejo digital seguiu o viés de alta, com acréscimo de 6,2 milhões de pessoas. Esse público, porém, demonstra disposição para ampliar os gastos, tanto que o tíquete médio é ligeiramente superior à média ? R$ 556.

Mobile e avanço no Sul e Norte

A compras por celulares representaram mais da metade do faturamento total do e-commerce no Brasil. O resultado de R$ 28,2 bilhões representa uma evolução de 28,4% na comparação com os primeiros seis meses de 2020. "O brasileiro está hiperconectado, consome conteúdo ao mesmo tempo em diversas telas, isso é o ambiente propício para o e-commerce. Ele assiste algo na televisão, acessa as redes sociais, vê um produto de interesse e realiza a compra. Tudo muito simples e ágil ao toque das mãos", complementa Osanai.

A região Sudeste foi a que mais contribuiu com 51% do faturamento total, conforme os dados do estudo. No entanto, as regiões Sul e Norte foram as que mais cresceram durante o primeiro semestre, com altas de 57% e 52%, respectivamente.
Fonte:
PF
Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário
Analytics